04
07/13

Andar de táxi em Buenos Aires exige muita atenção. Não só pelos caminhos que o taxista pode fazer, mas porque você pode ser roubado e nem perceber. Aliás, em qual lugar do mundo taxista não é sacana? Pensando melhor: em qual lugar do mundo o ser humano não é sacana?

Essas dicas eu peguei com um taxista de lá. Ele trabalha na zona portuária durante a época dos cruzeiros, mas no decorrer do ano o ponto dele fica no Caminito. Ele disse que na Argentina existem muitos táxis falsos, ou seja, as pessoas pintam seus carros de preto e amarelo, e trabalham como os taxistas registrados. Muitos táxis (mesmo os registrados) tem o taxímetro (chamado por lá de reloj) adulterado. Atualmente (maio/2013) a corrida funciona assim:

Bandeira 1 (6 às 22h): AR$9,10. A cada 200 metros o valor é acrescido em AR$0,91 ou o mesmo valor por minuto de espera (no trânsito, por exemplo).

Bandeiro 2 (22 às 6): AR$10,90. A cada 200 metros o valor é acrescido em AR$1,09 ou o mesmo valor por minuto de espera.

Repare nos taxímetros. Se você ver que ele está correndo mais rápido do que parece, pode desconfiar que ele foi adulterado. Para se certificar, olhe no GPS do celular e faça as contas. O site Viajo en Taxi calcula o valor da viagem, se você quiser descobrir o valor antes. Caso isso esteja ocorrendo, peça para descer do táxi e pegue outro. Você está no seu direito de desistir da corrida caso se sinta lesado (e isso vale pra qualquer lugar).

Outro ponto relevante que o taxista me disse é que os carros tem obrigatoriamente uma placa de identificação com o nome do taxista e foto. Se o táxi não tiver, nem entre. É bem possível que o táxi seja fake. Ele também comentou que não adianta denunciar esse tipo de postura, já que a polícia sabe do caso, mas muitos recebem o famoso “cala a boca”, a boa e velha propina. :(

Obs: não coloquei o nome do taxista aqui pra preservar a identidade dele, já que ele foi muito legal em dar tantas dicas assim.


1 comentário


30
06/13

Capinha do Beemo - Adventure Time

Capinha de celular é uma coisa cara. Em qualquer loja “oficial” uma capa para smartphone sai em média R$ 50. Nos xing-ling da vida, uma capinha sai por R$ 20. No Mini In the Box uma capinha sai em média R$ 4,00! A vida pode ser linda! <3

Descobri o miniinthebox.com porque estava cansado de gastar cerca de R$ 20 cada vez que queria trocar a capinha do meu celular. O site é como se fosse um “Mercado Livre” da China, só que agrega os produtos de forma mais interessante e dá ares de uma única loja virtual. O site tem a opção de idioma em português (bem feio, mas ajuda se você não foi alfabetizado em inglês).
O site vende mais que capinhas de celular. É uma grande 25 de Março com preços legais. Dá pra comprar joias, relógios, acessórios para videogames, acessórios para casa e mais um monte de coisas que só fuçando pra saber!

Basicamente minha compra foi essa (os nomes traduzidos no site são horríveis, releve!):

1 – capa vazada preta.
2 – capa básica colorida.
3 – capa básica transparente.
4 – bumper colorido.
5 – capa Beemo do Adventure Time.

*ao clicar nos links, provavelmente você verá preços divergentes da imagem, pois o site utiliza o câmbio do dia, ok?

Não tirei fotos, mas comprei mais duas coisinhas: esse apoiador em forma de desentupidor e esse lindo fone em formato de Lego. O desentupidor é bem útil, principalmente para quem gosta de ficar vendo vídeos no celular e não tem onde apoiar o smartphone. Infelizmente o fone de ouvido só é bonito, mas o som é péssimo (lembra aqueles fones que eles dão em avião, sabe?). Não fiquei triste porque o fone custou R$ 6,31 (ok, é dinheiro, mas dar sorte com fone sem marca é raro).

Eu comprei com cartão de crédito internacional, mas agora vem a parte legal: DÁ PRA COMPRAR COM BOLETO BANCÁRIO! É só colocar os produtos selecionados no carrinho e na hora de escolher a forma de pagamento, selecionar Boleto. Aí você pode pagar no seu banco pela internet ou se for muito medroso (coisa de gente velha fazendo compras na internet! Para com isso, cara!) pode imprimir e pagar em algum banco.

A parte levemente chata: a compra demora pra chegar. As minhas demoraram cerca de 45 dias. Mas no total, comprando 7 itens, eu gastei R$ 41,36, coisa que eu gastaria comprando duas capinhas em alguma loja. Vale a espera! Se você tiver muita pressa, há a opção de entrega mais rápida (de 6-8 dias úteis), mas aí o frete sai por mais de R$ 70! No meu caso, escolhi a opção mais barata e o frete custou só R$ 4,50. Dica para que suas compras cheguem mais rápido: escolha produtos com a descrição “enviado em 24 horas”. Alguns produtos demoram muito para ser embalados e isso pode fazer com que suas compras demorem mais de 45 dias para chegar.

Não fui taxado, mas como sabemos, aqui no Brasil isso é meio imprevisível. Geralmente, compras abaixo de US$ 50 não são taxadas (já falei disso nesse post), mas descobri que isso tem a ver com o tipo de pacote. Se o pacote tiver a identidade visual da loja, o pessoal da alfandega perceberá e você provavelmente será taxado. No do Mini in the Box, o pacote é bem discreto, então acredito que o risco é baixo.

 

Boas compras, muambeiros da rede mundial de computadores!

 


Comentários


30
05/13

Finalmente o livro Inferno do Dan Brown saiu e a minha mãe fez literalmente um inferno para que eu comprasse esse livro. Ficou um mês falando a respeito do bendito livro, que queria de todo o jeito. Aí recebi um e-mail sobre o lançamento e comprei na hora a versão eBook para o Kobo (até porque estava quase metade do preço do livro físico). A minha mãe ainda nem começou o livro (está lendo outro), mas eu já comecei e terminei, em quatro dias. Sim, o livro é muito bom!

Como todo livro do Dan Brown, a história gira em torno de algo histórico, repleto de simbologia e que, por consequência, pode ter inúmeras interpretações. O mote da vez é o livro A Divina Comédia, de Dante Alighieri, mais especificamente a parte “O Inferno”.

Um belo dia, o professor de Simbologia de Harvard, Robert Langdon, acorda na Itália (quem nunca?) e se vê numa corrida contra o tempo, para desvendar um enigma que gira em torno do Inferno de Dante, misturando obras de artes, passagens secretas e ciência.

Como todo livro do Dan Brown, ele te prende desde o primeiro capítulo e te faz querer ler o livro de uma vez só, pois você se sente assistindo um filme. A “técnica” de cada capítulo ter um desfecho diferente te faz ficar em dúvida sobre o futuro da história, e por mais que você tente pensar em obviedades ou imaginar o que está havendo, dificilmente acertará.

Para a leitura e a imaginação fluírem melhor, aconselho que a leitura dos poemas de Dante seja feita antes de começar a ler Inferno (eu adoraria ter feito isso). Outra dica, mas só para quem tem paciência, é procurar na internet as obras e lugares descritos no livro durante a leitura. Isso vai ajudar a imaginar como Robert Langdon consegue ser tão James-Bond-Indiana-Jones-Tartaruga-Ninja ao encontrar passagens secretas no meio da rua, além de te deixar mais por dentro da história (eu particularmente não tenho paciência de ficar procurando detalhes na internet, porque quando o livro é bom eu quero acabar ele no mesmo minuto).

Esse livro é mais parecido com O Código Da Vinci e Anjos e Demônios, pela forma que foi escrito e pelos inúmeros desfechos inusitados. E sim, é melhor do que O Símbolo Perdido, que particularmente achei mais chatinho e menos elaborado que os demais. É bem escrito e vale a pena o investimento!

Obs: pesquisando na rede mundial de computadores, descobri que a data de lançamento do livro não foi mero acaso. Lá nos EUA ele foi lançado no dia 14/05/2013, um anagrama do valor aproximado de PI, 3,1415, fazendo referência aos círculos do Inferno de Dante. Ah, meu Deus, como é bom imaginar que o mundo é uma grande conspiração!


Comentários



© 2013 brunoernica.com                                                    Ilustração por Zé Mário.                                             Programação por Bárbara.