30
05/13

Finalmente o livro Inferno do Dan Brown saiu e a minha mãe fez literalmente um inferno para que eu comprasse esse livro. Ficou um mês falando a respeito do bendito livro, que queria de todo o jeito. Aí recebi um e-mail sobre o lançamento e comprei na hora a versão eBook para o Kobo (até porque estava quase metade do preço do livro físico). A minha mãe ainda nem começou o livro (está lendo outro), mas eu já comecei e terminei, em quatro dias. Sim, o livro é muito bom!

Como todo livro do Dan Brown, a história gira em torno de algo histórico, repleto de simbologia e que, por consequência, pode ter inúmeras interpretações. O mote da vez é o livro A Divina Comédia, de Dante Alighieri, mais especificamente a parte “O Inferno”.

Um belo dia, o professor de Simbologia de Harvard, Robert Langdon, acorda na Itália (quem nunca?) e se vê numa corrida contra o tempo, para desvendar um enigma que gira em torno do Inferno de Dante, misturando obras de artes, passagens secretas e ciência.

Como todo livro do Dan Brown, ele te prende desde o primeiro capítulo e te faz querer ler o livro de uma vez só, pois você se sente assistindo um filme. A “técnica” de cada capítulo ter um desfecho diferente te faz ficar em dúvida sobre o futuro da história, e por mais que você tente pensar em obviedades ou imaginar o que está havendo, dificilmente acertará.

Para a leitura e a imaginação fluírem melhor, aconselho que a leitura dos poemas de Dante seja feita antes de começar a ler Inferno (eu adoraria ter feito isso). Outra dica, mas só para quem tem paciência, é procurar na internet as obras e lugares descritos no livro durante a leitura. Isso vai ajudar a imaginar como Robert Langdon consegue ser tão James-Bond-Indiana-Jones-Tartaruga-Ninja ao encontrar passagens secretas no meio da rua, além de te deixar mais por dentro da história (eu particularmente não tenho paciência de ficar procurando detalhes na internet, porque quando o livro é bom eu quero acabar ele no mesmo minuto).

Esse livro é mais parecido com O Código Da Vinci e Anjos e Demônios, pela forma que foi escrito e pelos inúmeros desfechos inusitados. E sim, é melhor do que O Símbolo Perdido, que particularmente achei mais chatinho e menos elaborado que os demais. É bem escrito e vale a pena o investimento!

Obs: pesquisando na rede mundial de computadores, descobri que a data de lançamento do livro não foi mero acaso. Lá nos EUA ele foi lançado no dia 14/05/2013, um anagrama do valor aproximado de PI, 3,1415, fazendo referência aos círculos do Inferno de Dante. Ah, meu Deus, como é bom imaginar que o mundo é uma grande conspiração!


Comentários




© 2013 brunoernica.com                                                    Ilustração por Zé Mário.                                             Programação por Bárbara.